sábado, 28 de junho de 2014

Tempos

Houve tempos
Em que pessoas chegavam
Aportavam canções

Houve passos
Dados sem chão
Na chuva, sem par nem perdão

Houve verbos
Poréns, contudos, entretantos
Silenciados aos cantos

Houve espaços
Para deixar o cansaço
Ter regaço e alento

Ouve o tempo
As canções que ainda pairam

E as pessoas voltarem

Tattoo

Ali, onde quebram as ondas
Onde água e areia turvam

Naquele instante
Quando a brisa encontra reflexo
e o sol, seu contraste


Por certo, ali...